O modelo das agências digitais está falido

Inside_Of_Google_Office_In_Dublin_on_world_of_architecture_18.jpg

 

Tenho recebido cada vez mais contatos de donos de agências digitais em busca de orientação sobre como conduzir seus negócios e melhorar (ou conseguir alguma) a lucratividade.

Vamos pensar um pouco sobre esse modelo?

Uma agência tradicional é baseada mais ou menos em alguns pilares: atendimento, planejamento, criação e mídia. Os três primeiros são pilares que gastam dinheiro, quem põe dinheiro dentro do negócio é a mídia.

Sejamos francos: o cliente gosta da criação, mas não paga por ela. O planejamento é imprescindível, mas nenhum cliente gosta de pagar por ele. O atendimento é obrigação. É a mídia quem paga a conta da agência. Por isso existe no mercado o “Dia do Mídia”: esse é o elo que movimenta a cadeia do mercado da comunicação.

Na prática, ao longo dos anos, o modelo de remuneração baseado no BV – os 20% que a agência recebe sobre a veiculação de mídia – acabou distorcendo o mercado. Ao invés de cobrar pela capacidade de entender o problema do cliente, fazer um bom planejamento e usar a criatividade para resolver o problema, as agências passaram a focar seus esforços em anunciar em canais onde o esforço de produção era menor e a comissão maior.

Todo bom profissional odeia esse modelo, mas a realidade do mercado descambou para essa prática, gostemos ou não. O mesmo fenômeno acontece em outros mercados: arquitetos que vivem de RT (Reserva Técnica, a comissão pela indicação de produtos como móveis e acabamentos) e não de projeto ou músicos que vivem de Couvert e não de cachê.

Todos os mercados em que o profissional é remunerado pela criatividade sofrem com este comportamento. Nossa cultura declara valorizar a criatividade, mas não gosta de pagar por ela.

No início dos anos 2.000, quando a internet começou a ficar mais popular, surgiram problemas novos (“minha empresa precisa ter um site”) e soluções para estes problemas: produtoras de sites e agências digitais.

Com o tempo, novas soluções foram sendo oferecidas: campanhas no Google AdWords, otimização de sites (SEO), conteúdo para Redes Sociais e por aí vai.

Como não havia referência melhor, as agências nascentes copiaram a grosso modo a prática vigente no mercado: cobrar 20% do investimento em mídia.

Isso gerou dois enormes problemas: baixa rentabilidade e distorção de foco.

Se no mercado tradicional cobrar os 20% fez a maioria das agências ficarem reféns da mídia e prostituirem seus planejamentos e sua criatividade para faturar com a mídia, no mercado digital isso se tornou uma forca para as agências digitais.

Os volumes de investimento no mercado digital em geral são bem menores que no mercado tradicional. É comum um cliente que investe R$ 10.000 em outdoor achar um site de R$ 10.000 uma “fortuna”.

Vincular o faturamento ao investimento fez das agências digitais péssimos modelos de negócio. Um cliente que investe R$ 4.000 no AdWords paga R$ 800 à agência pela criação e gestão da campanha, e isso não cobre os custos de gestão.

Cabe ressaltar: os números e exemplos que analiso aqui refletem a massa do mercado, a base da pirâmide, e não os grandes anunciantes (que são poucos) e as grandes agências digitais (que são bem poucas!). Já vi marcas de porte nacional que investem R$ 500.000 em mídia offline todo mês e não chegam a R$ 10.000 no online. Mas esse é outro papo.

Voltando ao problema: isso gera distorção de foco, porque ao invés da agência focar em resolver o problema do cliente (exemplos: vender mais, melhorar o relacionamento com o cliente, fortalecer a marca, gerar mais leads) passa a focar em gastar mais mídia porque precisa faturar para cobrir seus custos.

Só que o problema é ainda maior: agências digitais quase sempre são um negócio muito trabalhoso e pouco lucrativo. O limiar entre lucro e prejuízo é muito tênue.

Conheço algumas agências digitais lucrativas. São agências segmentadas e altamente especializadas, com modelos de difícil replicação. Resumindo: não são exatamente um “modelo de negócio”, porque não podem ser replicadas ou ganhar muita escala.

Uma luz no fim do túnel: agências de Inbound Marketing

Com o ganho de visibilidade do Inbound Marketing, começou a ganhar espaço no mercado a discussão sobre “agências inbound”. Pessoalmente acho um péssimo modelo, mas a minha opinião pessoal não importa. A questão aqui é sobre modelos de negócio.

O modelo da agência inbound envolve pilares desafiadores: entender o problema do cliente, criar uma estratégia que envolve conteúdo e mídia, analisar dados, medir o desempenho constantemente e construir processos de automação para dar escala ao processo de captação de leads e qualificação em vendas.

Como o investimento disponível também costuma ser relativamente pequeno, as agências que atuam nesse modelo ficam presas entre dois desafios: de um lado lidar com uma entrega de alta complexidade técnica e estratégica; e do outro a escassez de mão de obra e a necessidade de formar profissionais na prática, o que não é o foco do negócio da agência.

Essa luz no fim do túnel me parece mais um trem vindo na contramão. Este modelo é repetível mas não é escalável. É por isso que não existem mais do que cinco grandes agências de inbound no Brasil.

Esta discussão é interminável mas é necessária: sem um modelo de negócios sustentável e lucrativo, continuaremos vendo agências morrendo na praia. No momento que vivemos, tanto as tradicionais quanto as digitais estão sob pressão.

Há mais um ingrediente importante a ser considerado: o digital é pulverizado. Há menos empresas com 30, 40, 50 funcionários e mais empresas com 5, 10, 15 funcionários.

Isso abre mais oportunidades, mas gera negócios menores e mais arriscados.

Com tantas possibilidades de inovação que a internet permite, me consterna que hajam tão poucos modelos de agência funcionando bem. Nos meus cursos sempre mantemos um grupo de discussão para trocar experiências e compartilhar práticas de mercado.

A pergunta central aqui é: podemos melhorar o modelo existente ou devemos romper com ele e criar um modelo completamente novo? Quais experiências positivas servem de referência para a criação de um novo modelo?

Esta deveria ser a principal preocupação do empresário que atua nesse mercado. Sem um bom negócio em mãos, o empresário está correndo mais riscos do que precisa. Viver de 20% definitivamente deveria morrer. Esse é um modelo muito nocivo!

 

*Gerenciamento de Mídias – Solicite seu orçamento: (19) 99894.9388 whats | www.b2bsm.com.br | denys@b2bsm.com.br

 

 

 

Anúncios

Desafios e Resultados no Inbound Marketing

equipeco.jpg

Indo no caminho oposto do marketing tradicional, a metodologia Inbound tem como objetivo oferecer aos clientes as soluções necessárias, no momento certo. Essa é uma das técnicas de marketing digital mais importante de serem passadas para os profissionais que vão ingressar no mercado.

Depois de décadas convivendo com modelo tradicional, é importante deixar claro que aquela proposta quase invasiva, já não desperta mais atenção dos consumidores. Hoje em dia, podemos encontrar qualquer resposta, a qualquer hora, nos buscadores online. É ali que as empresas precisam estar, com as respostas na ponta da língua, oferecendo o serviço ideal para os consumidores, que são cada vez mais informados.

O Inbound marketing não significa apenas o futuro do marketing, mas sim o futuro da sobrevivência de qualquer marca que esteja presente no mercado.

14947895_1242096002520131_6753125632184995954_n

Aprendizagem da metodologia Inbound

Focada no universo digital, não é de se espantar que existam várias maneiras de conhecer e saber mais sobre o Inbound Marketing. Há muito conteúdo disponível e muitas vezes oferecido sem custo. Todo este material, pode ser usado por você professor de Marketing Digital, para enriquecer o seu programa de ensino e mantê-lo ainda mais alinhado com as necessidades do mercado. É de grande valia para os seus alunos, estimulá-los ainda durante o processo de aprendizagem a obterem uma certificação em Marketing Digital. Um exemplo é a certificação em Inbound da Hubspot. Disponível no Hubspot Academy, seus alunos podem assistir as aulas preparatórias, que são totalmente gratuitas e quando estiverem preparados para realizar o teste que garante uma certificação com reconhecimento internacional. Dessa maneira, além de terminar a disciplina com mais conhecimento em técnicas de marketing digital, você os deixará ainda mais preparados para a realidade e necessidades do mercado de trabalho.

Porque ensinar o Inbound Marketing

Se a metodologia Inbound ainda não faz parte do programa do seu curso de Marketing Digital, a hora de repensar e mudar é agora. Você sabe que a forma de fazer Marketing mudou e que as empresas estão buscando novos caminhos, certo? Este caminho tem um nome: Inbound.

Veja algumas razões que vão te convencer a ensinar o Inbound dentro de sala de aula.

  • O Inbound Marketing é focado na solução de problemas. Ou seja, com a produção e divulgação de conteúdo, você conseguirá fazer com que uma empresa chegue até um cliente com o serviço certo, no momento certo.
  • Dados são a base do Inbound Marketing. Através de números, pessoas e comportamento é que o planejamento será feito, garantindo resultados muito mais consistentes.
  • Inbound Marketing é metodologia. Ou seja, ela pode ser replicada em diferentes empresas, de diferentes setores e tamanhos. Além disso, o mesmo processo pode e deve ser repetido dentro de uma organização, sempre que for necessário atingir novos objetivos.
  • A metodologia Inbound soluciona um problema antigo dentro das empresas, que é a rivalidade entre o setor de vendas e o marketing. Com este método, é fundamental, que os dois ambientes trabalhem em conjunto, para atingir os resultados desejados.

Ser um profissional que ensina Marketing Digital exige muito. Os desafios são constantes, as atualizações se fazem necessárias a todo mundo e você precisará sempre estudar. A parte interessante está exatamente nisso tudo. Na vontade de ensinar sempre o mais novo e capacitar os seus alunos da melhor forma.

Se você ainda não conhece a certificação Inbound da Hubspot, tenha a certeza que acabou de ganhar um grande aliado para atrair ainda mais interesse dos seus alunos. Descubra mais sobre as vídeo aulas e o teste para a certificação.

PARA ENTENDER MAIS SOBRE COMO TRAÇAR SUAS ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIGITAL DA MELHOR FORMA PARA O SEU NEGÓCIO, ENTRE EM CONTATO COM A B 2 B SOCIAL MEDIA®, CONSULTORIA QUE AJUDA EMPRESAS COMO A SUA A CRESCEREM NO MERCADO DIGITAL!

 

*Gerenciamento de Mídias – Solicite seu orçamento: (19) 99894.9388 whats | http://www.b2bsm.com.br | denys@b2bsm.com.br

Marketing Digital X Inbound Marketing conectado suas vendas!!

ebook-mkt-blog

 Nós contamos com expertise única no mercado B2B!

As nossas estratégias e experiências contribuem para o sucesso sólido dos seus resultados de vendas.

Somos uma consultoria especializada em soluções corporativas (B2B) para as áreas comercial e marketing unindo tecnologia de ponta a projetos estruturados e integrados com o objetivo de transformar oportunidades em resultados.

maquina-de-vendas-e-inbound-marketing-pipehline-services.jpg

Fique à frente do seu tempo e torne-se uma referência de vendas em seu mercado.

 

B 2 B Social Media® | Vinhedo | Valinhos | Itatiba | Campinas & Região Metropolitana | Louveira | Jundiaí | São Paulo & Litoral

Conheça mais os nossos serviços: (19) 99894.9388 ou Whatsapp |www.b2bsm.com.br | denys@b2bsm.com.br